Por Natasha Franco

Assim como os demais docentes, professores e professoras da alfabetização tiveram que se aprimorar tecnologicamente e se reinventar em relação às práticas de ensino e aprendizagem online. Além disso, mesmo à distância, precisaram se aprofundar a respeito das questões emocionais de seus alunos, devido ao período de isolamento social. No entanto, com o desafio ainda maior que é o de alfabetizar remotamente. Conversamos sobre o assunto com a integrante da diretoria da ASBREI, Fernanda Abeleira. Confira a entrevista especial a seguir.

Por que a pandemia trouxe diferentes desafios aos professores da alfabetização?

Importante destacar que a alfabetização é um processo que se inicia com a “ leitura de mundo” da criança, ainda na Educação Infantil. É nesse segmento pedagógico que se estrutura a base para a alfabetização. É nesse período da vida escolar que a criança percebe a função social da escrita e da leitura. Por isso, além de observarmos os resultados formativos das crianças alfabetizadas em 2020, é necessário ampliar o olhar para as que serão alfabetizadas em 2021, visto que a iniciação da escrita ocorre ainda na Educação Infantil. É preciso, portanto, também averiguar como esse processo de iniciação ocorreu.

Como alfabetizar neste momento em que estamos vivendo?

Muitos têm sido os desafios, principalmente no que tange ao aprimoramento profissional dos professores e aos recursos tecnológicos a serviço de suas práticas pedagógicas. É preciso plataforma adequada, internet de alta capacidade, equipamentos tecnológicos e aprimoramento profissional da equipe docente, constante.

O planejamento pedagógico aplicado nas aulas da alfabetização é um ponto de extrema importância. Principalmente neste contexto social em que estamos vivendo, há de se propor atividades lúdicas, como jogos, música, rimas e leitura dinâmica, entre outras. Concomitantemente ao conteúdo pedagógico, é necessário trabalhar valores como o da solidariedade e o da empatia.

A Alfabetização é um momento que marca a inserção da criança no mundo letrado. As escolas precisam se preocupar, principalmente nesta fase, em despertar o prazer e o hábito de ler e escrever nos alunos. A valorização por parte do professor ou da professora de qualquer conquista de seus alunos em relação à prática de ler e escrever é outro elemento que também merece destaque, principalmente dentro deste contexto de aprendizagem híbrida.

Importante lembrar que ensino à distância (EAD) era algo próprio do universo acadêmico adulto e não do de crianças. EAD e ensino remoto ou híbrido apresentam propostas de aprendizagem totalmente diferentes. Por isso, o nome técnico correto aplicado às aulas realizadas neste período pandêmico pelas escolas se chama regime especial domiciliar e não EAD.

Como manter as crianças do 1º ano atentas quando a interação se dá através de uma tela?

Manter o diálogo e disponibilizar espaço de trocas entre o grupo, além da prática da escuta por conta da professora, é imprescindível para a realização da aprendizagem nesse formato. Os alunos precisam de alguma forma expor o que estão sentindo para conseguirem perceber que a distância não é um impeditivo para aprenderem e descobrirem mais sobre o mundo em que vivem.

No entanto, o olhar individualizado é tão importante quanto. É necessário o professor perceber os possíveis obstáculos apresentados na alfabetização remota ou híbrida, por cada aluno.

Neste momento de aprendizagem híbrida, o professor da alfabetização precisa ter a capacidade de constatar, por exemplo, quando há desinteresse pela aula remota, não acompanhamento familiar e ausência de ambiente adequado de estudo na casa dos alunos, para que possa colaborar e tentar reverter tais cenários. É preciso demonstrar interesse, afeto e compreensão.

Por que atualmente o acompanhamento escolar por parte dos familiares se faz ainda mais importante?

Independentemente da pandemia, nesta fase da vida escolar da criança, as famílias devem ser envolvidas. No entanto, em função da aprendizagem em regime especial domiciliar, é imprescindível a família estabelecer ao aluno uma rotina de estudo em casa e verificar um local apropriado para a aula, além de deixar o instrumental escolar organizado.

Mudanças de comportamento ou situações indesejadas que venham a acontecer em função do panorama da pandemia podem interferir no processo de desenvolvimento e aprendizagem. Por isso, é de extrema importância manter um canal de comunicação com as famílias.